A Química do Amor

Com frequência escutamos para que um namoro der certo deve haver uma química ideal. O que viria à ser essa química, e que tem a ver com o amor? Não é apenas uma expressão popular ou algo que os poetas inventaram. Ha também um contexto biológico e evolucionário que alguns médicos e cientistas tentam explicar, entre eles Dr. Helen Fischer a autora e professora de antropologia.

 chimica

O amor, e consequentemente a química que o acompanha, ocorre em três fases distintas.

  • Primeiro passo é o libido sexual, ou seja, a motivação para sairmos de casa e procurar por um(a) parceiro(a) e um romance. Atracão sexual está interligado ao libido.

  • Uma vez encontrado alguém, começa o segundo passo, que é o romantismo (paixão), que pode durar um período variado de pessoa à pessoa.

  • E por último é o apego,o que cria a segurança e estabilidade, importantíssimo para casais que pretendem casar e ter filhos.

Se entre um passo e outro a química não estiver correta, problemas seguirão. Para entender melhor o que acontece com nosso corpo e estado psicológico em uma relação amorosa é importante entender um pouco sobre os tais químicos, assim explicados pelos especialistas. Vamos ao primeiro passo e entender nossas motivações e libido sexual.

Libido

A principal motivação para buscar um parceiro são interligadas, mas não necessariamente restrito, aos ciclos hormonais, principalmente o testosterônico e estrogênio. A primeira manifestação desses hormônios inicia durante a puberdade, marcando não apenas por mudanças corporais, mas também um aumento no desejo sexual. Em mulheres, durante o ciclo menstrual, têm se um aumento no libido dias antes da ovulação quando o nível de testosterônico encontra-se elevado. Por consequência, durante a menstruação, período de baixo libido, têm se um nível baixo de testosterônico. Em homens não existe um ciclo, porém níveis hormonais podem ser influenciados por fatores internos e externos. Uma vida saudável pode garantir uma boa homogeneidade hormonal e do libido.

Para manter uma motivação saudável deve se preocupar com um balanço correto desse hormônio. Estudos indicam que estresse, cigarro, alcoolismo, dieta ruim e falta de exercício afetam o nível testosterônico de forma negativa, afetando assim o libido. Um simples lembrete é aquilo que todo medico sempre diz; uma dieta balanceada e exercícios regulares! Manter uma vida saudável não é apenas beneficial para para seu corpo, mas também para sua vida sexual e amorosa.

Romantismo

Em um primeiro encontro, tem se uma elevação na adrenalina e cortisol, hormônios ligado ao estresse que causa aquele frio na barriga. Mas não precisa ter medo se não sabe o que vai dizer, o mais importante é como se diz, pois a parte mais importante em um primeiro encontro é a linguagem corporal, o tom e como as palavras são ditas e por último aquilo que se diz propriamente dito. Observem por exemplos os políticos.

Uma vez encontrado um parceiro, inicia-se o segundo passo, que é o romantismo paixão e amor. Neste estágio os principais sentimentos são manipulados pela dopamina e epinefrina que nos dão um sentimento de euforia e alegria, similar a uma droga. Lembre-se que esses neurotransmissores são produzidos naturalmente pelo corpo humano, e uso indevido por drogas é prejudicial a saúde. Tais químicos são fortemente liberados após o ato sexual, o que explica o comportamentos de alguns.

Quando se encontra em um estado de romantismo, tem se um foco maior para a pessoa amada. Este foco tem um contexto evolucionário, em que maior tempo e energia é focado a uma única pessoa, facilitando assim a transição para o próximo passa, o apego mais duradouro.

Apego

No último passo do amor vem o apego, que nada mas é que a união entre casais. Um sentimento de segurança e confiança,  central para casais que queiram iniciar uma família e ter filhos. Um senso de estabilidade emocional é o que leva a decisão de ter filhos. E até aqui temos um hormônio que nos facilita neste processo.

O hormônio em questão é a ocitocina muito importante durante o parto e produção de leite durante a amamentação. Entretanto, liberado na corrente sanguina este hormônio causa mudanças da forma como pensamos, entre eles um grande aumento no apego, fato que explica a grande conexão entre mães e filhos. Cientista também descobriram que o mesmo hormônio é liberado em quantidades menores durante o orgasmo, o que sugere o aumento do apego entre casais. Segundo a Dr Helen, quanto mais sexo um casal faz, maior se torna o apego entre eles.

Explicado então as três fases do amor, é importante lembrar que um estágio não termina com o inicio do outro, pois na vida tudo é mais complicado. Muitos casais sentem falta daquele romance inicial que tiveram com seus parceiros e perguntam como se faz para reviver esse período. Segundo a Dr Helen a resposta é fácil, basta que o casal esteja disposto a experimentar coisas novas. Novidade afeta a dopamina, neurotransmissor  responsável pela euforia do romance. Uma viagem a um lugar desconhecido, inscrever à uma aula de dança são atividades que podem fortalecer o romance.

Imagem de destaque  © Holly Willians. „Love Potion“ Alguns Direitos Reservados. Fonte: Flickr.com

Foto 1 © Milosz1. „Chemistry“ Alguns Direitos Reservados. Fonte: Flickr.com

Leave a Reply